Seja qual for o evento que você esteja organizando, um caminho é comum a todos: eles precisam ser divulgados.

E com isso, hoje, estamos falando em marketing digital, uma realidade que nos apresenta um acesso mais democrático às ferramentas de divulgação e venda – não é preciso mais disputar espaços publicitários em revistas, jornais e televisão para alcançar seu público –, mas que, por outro lado, também prevê etapas importantes e que não devem ser ignoradas.

Tudo começa com um plano de mídia, que pode lançar mão de banners e conteúdo escrito ou audiovisual para destacar o diferencial de sua ação e marcar o posicionamento do evento – além, claro, de comunicar com clareza datas, valores e qualquer tipo de atrativo que fale diretamente com seu público. Espaços editoriais em jornais e revistas seguem sendo ouro, e para isso é preciso contar com uma assessoria de imprensa influente. Mas vale lembrar que, na era das redes sociais, é possível driblar a eventual falta desse recurso sem perder em abrangência na sua comunicação.

O pulo do gato, segundo especialistas, é entender que a estratégia de divulgação mais eficiente não acontece quando pensamos apenas no evento a ser divulgado – seguindo sprints para a vendas de ingressos ou realização de promoções. O principal ganho do marketing digital está em reconhecer nele uma forma de extrapolar campanhas isoladas, criando um relacionamento perene com sua audiência.

**Definindo a persona **

O próximo passo é definir a persona do seu evento, ou seja, entender para quem se destina aquilo que você quer divulgar. No marketing digital, é preciso desenvolver anúncios voltados ao perfil de pessoas que serão impactadas pelas campanhas. Por isso, segmente ao máximo os seus anúncios, filtrando por localização, hábitos, gênero e diversas outras opções disponíveis em plataformas como o Facebook. Além de chegar exatamente a quem interessa, esse afunilamento de interesses evita o desperdício de verba com ações que não vão encontrar eco junto a quem precisa. Comunicar o show de um ídolo teen para pessoas acima de 60 anos não faz nenhum sentido, não é?

**E-mail marketing **

É preciso entender como os diferentes meios de comunicação funcionam e quais as melhores estratégias que cada um tem a oferecer. E uma das formas mais simples é o e-mail marketing. Quando utilizado de forma correta, ele se torna um grande aliado na divulgação de um evento. Se você já possui uma relação com dados potenciais, de pessoas que participaram de projetos passados ou que demonstram interesse no atual, aproveite e encaminhe novos e-mails com conteúdo relevante, capazes de instigar o destinatário a conhecer mais sobre o evento, levando-o à conversão.

Mas é preciso tomar alguns cuidados. Procure não comprar mailings de forma indiscriminada, principalmente se o seu evento tiver um nicho específico, com um seminário sobre uma determinada especialidade médica, um encontro de interessados em tema específico ou um evento musical focado num único gênero. O mailing mais responsivo é aquele construído organicamente, com pessoas com as quais sua produtora ou marca se relaciona ou já se relacionou em vezes passadas.

E evite o spam. Além de os próprios servidores de e-mail hoje já se encarregarem de desviar esse tipo de mensagem da caixa de entrada, os spams causam uma impressão ruim, dificultando relacionamentos futuros com seu público. E atenção também com a frequência com a qual você irá disparar seu conteúdo. Construa um calendário que ajude a controlar a quantidade e a periodicidade dos disparos. Uma dica é buscar associá-los a novidade reais: viradas de lote, novidades no line up, um novo palestrante…

Na internet

Vale também pensar em criar estratégias de inbound marketing, que têm por objetivo atrair público por meio de ações e conteúdos orgânicos na internet – como blogs, vídeos ou e-books. Use a criatividade e engaje o público com ações exclusivas: hashtags, imagens e textos relacionados ao projeto.

E nunca pense em prescindir do Facebook. Essa rede social concentra hoje, ao lado do Google, 20% dos investimentos globais em publicidade. Os eventos criados no Facebook são excelentes oportunidades de alcançar o público-alvo de forma rápida e disseminar o evento em toda a rede. Além de possibilitar a interação dentro da plataforma, a criação de Mark Zuckerberg informa aos amigos dos interessados sobre a realização do evento, aumentando o índice de compartilhamento orgânico. Por isso, se o seu público está presente na rede social (e é bem difícil que não esteja), não deixe de marcar presença por lá, atualizando todos sobre os acontecimentos e novidades.

Retargeting/Remarketing

Outra grande dica para as campanhas digitais do seu evento é o uso do retargeting, também conhecido como remarketing. Sabe quando você visita um produto e o anúncio dele fica te “perseguindo” por toda a web depois? Isso é retargeting. A estratégia do Google Adwords cria uma marcação para cada cliente que demonstrou interesse pelo evento, seja por meio de buscas ou visualizações. E, por meio dos chamados cookies, o usuário – mesmo após sair da página do evento – será impactado por anúncios relacionados à ação em outros sites ou redes sociais. Investir nessa forma de anúncio se torna interessante uma vez que as pessoas tendem a não comprar no primeiro impulso. Elas querem processar melhor a ideia e avaliar a agenda. Por isso, usar o retargeting é garantir que elas não vão se esquecer do seu evento.

Lotes, cupons de desconto e demais ações promocionais.

Uma parte relevante das ações para gerar vendas de ingressos é tentar criar uma “urgência” para essa aquisição. E existem diferentes mecanismos para construir esse cenário de “tenho que comprar logo”.

Lotes

Uma delas são os já conhecidos lotes. Quando o preço sobe em uma data específica, as pessoas sentem que vão perder dinheiro e podem antecipar a compra. Em geral é muito recomendado trabalhar com isso e dar destaque aos prazos de cada lote na comunicação.

Cupons Promocionais

Outra forma são os cupons promocionais, que geram o mesmo efeito dos lotes, mas com descontos limitados a um determinado número de pessoas que comprarem seu ingresso primeiro.

Brindes

E é sempre possível também, mesmo no universo intangível do ciberespaço, recorrer aos bons e velhos brindes. Sim, eles seguem bem-vindos e causam um bom impacto. E quanto mais assertivo e/ou criativo você for, mais seu brinde vai atrair olhares e cliques. Um exemplo: quem comprar o ingresso do show até determinada data ganha um bate-papo com o artista ou os primeiros que garantirem presença no seminário podem ter uma conversa privada com um dos palestrantes. Não tem fã da Anitta ou admirador do historiador Leandro Karnal que vai resistir a essa possibilidade.

Os cupons, descontos ou brindes, além de movimentarem as vendas, também ajudam a gerar mais tráfego para a página do evento – e a isca é oferecer qualquer tipo de exclusividade para os internautas.

Acaba o evento, mas o marketing não

Outra ação bastante importante é entrar em contato com o público com o intuito de obter o feedback em relação ao evento produzido por você. A pesquisa de opinião com os participantes é imprescindível, uma vez que gera informações úteis para que você repense suas estratégias ou siga no caminho escolhido.

Quem deseja se comunicar com os frequentadores de um evento pode fazer isso de diversas maneiras, e uma delas é divulgar seus perfis na web, estimulando o acesso depois do evento. Para potencializar os efeitos dessa alternativa, vale sempre atualizar suas páginas com fotos, vídeos e comentários relacionados ao evento, além de publicar posts que demonstrem interesse na satisfação dos participantes.

Também é possível obter esse feedback a partir de questionários entregues durante o próprio evento. Assim, as pessoas que passaram pelo local poderão deixar suas opiniões com a própria produção, permitindo que a equipe colete os dados e faça uma avaliação das respostas.

O e-mail marketing volta aqui também como uma ferramenta possível – pensando em incluir no mailing o contato de pessoas que efetivamente prestigiaram seu evento. Procurar seu público nesse momento de “entressafra” – ou seja, entre o último evento e o próximo – é uma forma de conquistar a confiança e empatia dele por meio da atenção e do cuidado constantes. Isso ajuda a gerar a vontade de continuar recebendo mensagens com novidades ligadas aos seus projetos.

Ao planejar campanhas de e-mail marketing focadas no período após a realização de eventos, não se esqueça de separar os e-mails em temas, lembrando também de definir o intervalo de tempo entre cada nova mensagem. Um bom exemplo: envie um e-mail de agradecimento pela presença logo depois do evento e, alguns dias depois, envie um novo e-mail com conteúdo sobre o evento em questão e links para materiais postadas em mídias sociais. O resultado disso? Engajamento.

Quer conhecer o Lets.events e saber como podemos ajudar a bombar o seu evento? Clique aqui e fale com um especialista.